sexta-feira, 26 de maio de 2017

retornar (mas a vida é maior que o foguete caído)

quando volto sinto
a loucura
essas vozes banhadas
de nada
vazio, estranha estrada
que leva a uma rua
onde ninguém cresce
sento ao lado dos inimigos
um dia desejaram minha morte
hoje engolem minha presença
quantas balas atiram sorrisos falsos
todos os dias subo e desço
a mesma escada
todas as horas sinto fome
sede de viver longe daqui
cansado dos mesmos homens
cansado das mesmas barbas
o repetido bater dos teclados
dos operários loucos por números
refugio-me e respiro meu ar
meus motivos para levantar
preciso fortalecer meus músculos
e construir minha casa.

garoa lenta escorre sobre a cidade
a tarde caminha nas calçadas
estudo o silêncio e o desejo
dentro de mim
querer, ansiar
morder o lábio
apertar os dedos
te amar, rasgada
costurar o beijo
lugar nenhum do mundo
ser tão lindo como a calma
que transpira cor de rosa
das faces apaixonadas
a onda que nunca
conseguimos domar.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

post

deixo minhas botas marcadas
pelos pneus do asfalto
no canteiro da porta de casa
amacio os calos
desatarraxo os botões da camisa
na vila passam vendedores
e sabiás em busca de sombras
repousarão, um dia
no coração dos homens
quando soubermos cultivar
galhos sem nos ferir
ouço o pipilar dos veículos de carga
se fechar os olhos posso vê-los
deslizar sobre as imperfeições da BR
vivos, levando ao interior
pedaços da cidade
enquanto desacelero, pé no freio
e leio as sutilezas do dia
as fotos na carteira
bilhetes que não jogo fora
objetos que explicam o mundo
da minha vida
meu museu serão minhas palavras
e você a principal peça
exposta em cada texto
cada miúdo pensamento transcrito
anoto-os para deixá-los eternos
pois um dia, descalço do corpo
minha mão
não mais
escre-
ve-
rá.

cume invertido.

 
Os conflitos espirituais se encarnam e recobram o abrigo miserável e magnífico do coração humano. Ninguém está resolvido. Mas todos estão transfigurados. 

O Mito de Sísifo, Albert Camus



atrás da porta
há sempre um lobo
pernas cruzadas, olhar amigo
manipulando seu maxilar
enquanto mastiga, mastiga, mastiga
às vezes me surpreende
em cima dos móveis
escalando paredes
no trabalho
nos telhados avermelhados
dos antigos prédios
já o vi em Recife
na noite de Kadikoy
seu nome é conhecido
pode ser lido nos livros
não nestes versos

além da cabeça
há sempre um lodo
negrume escorregadio, cheiro forte
passeio e me lambuzo
perene, de costas para o sol
quantos homens já não caíram
quantos ainda irão adiar a luz
somos ineptos
ou conscientes do nosso mal?
versos, palavras, são navalhas
só compreende quem se corta
e mete o dedo na busca
de encontrar entre as vísceras
nossa verdadeira face
nossa alma de carne e osso.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

deixem meus loucos em paz

fora, fora daqui palavras enlatadas, esquecidas, tapadas com a mão que agora abre os dedos para deixar escorrer um salvamento. na escrita se pode tudo. a partir de uma única língua, formar quarteirões de frases conexas ou não, sentido há no peito de quem sente. posso sobrepor sílabas, palavras que queira ajuntar no ralo um porão escuro vigiei desde sempre, ainda menino afeiçoado a perguntas sobre o sofrer nas notas do choro do cão beethoven. criação arte gramática bolas de tênis de um lado para o outro, filhos de pais separados, um texto que nasce para o autor romper, perpetuar a eterna desconstrução de refazer-se, e refazer-se, e desfazer. 

enviar um feedback, ser solícito a filhos da puta, olhar no espelho e, sim, compreender-se um dos filhos da puta que choramingam migalhas, pequenos pombos inventores de máquinas e bíblias sangradas. o santo vinho, o deus-álcool, religiões abastadas no vício dos lares, "afaste-se de mim pessimista infernal!, pois o senhor é meu pastor e eu sou uma ovelha morta de medo do mundo", me dê aqui meus medicamentos fitoterápicos, conexão com a natureza que adoramos decepar. 

Olhou em volta, a praça havia se tornado uma espécie de palco para seu monólogo alucinado. Garotas riam de dentro de seus uniformes da escola, uma mais sensível se excitava, velhas comerciantes depositaram suas mercadorias no chão de areia e observavam Fagundo com inusitada compaixão. Havia homens da lei, noiados, imigrantes secos de distância, uma verdadeira plateia aos pés do poeta arrebatado, do filósofo sem dentes: só voz, garganta seca e uma alma estuprada. 

Fagundo envergonhou-se pois tinha urinado de prazer, tanto prazer em falar. Tapou o ventre com a mochila rasgada e caminhou para fora, fora daqui. Desenlatou-se da praça, esquecido, com as mãos a se cobrir, nada mais escorria, nada mais queria escrever. Debaixo da marquise, procurou uma pedra. Não lembra como conseguiu acendê-la.


sábado, 25 de março de 2017

menininho.

até o próximo mês
viro criança outra vez
sujo de lama e sorriso
cabelo voando na praia
olharei as estrelas
do mar
na busca da terra encantada
domarei as grotescas 
criaturas de terno e gravata
ah, eu gritarei aos pulmões 
no meio do povo da missa
contra tudo e sem perder
jamais a ternura e a ironia 
declarações de dependência 
em meio a cartas cifradas
nas linhas de uma letra torta
tortadas nas caras fechadas
adoçar e colorir 
pedir peito e chocolate
enfiar o dedo no cão que late
destruir rima de verso feioso
preciso nem mudar nome
nem de endereço
trabalhar pra ninguém
deitar e gozar no berço 
por isso acho que
até o próximo mês 
eu viro criança outra vez.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

aequilibrĭum.

Nunca satisfeita, nunca saciada.

Esvaziados os corpos, deitados sob a escuridão de uma lâmpada apagada num pequeno quarto. Que diferença faz uma lâmpada. O suor escorria nas costas. Eu pendia a perna esquerda de lado, o abafado me maltratava, por que ainda precisamos quase morrer para amar, pensei de olhos abertos, sem nada ver. Silêncio, completo silêncio, pois não se podia fazer barulho. Nunca se pode fazer barulho. O perigo em chamar atenção. Todos nós, com uma mão atravessada na garganta. Quieto. E os carinhos recomeçavam.

Nunca satisfeita, nunca saciada.

Manuais, dicas de felicidade eterna ou prolongada, táticas para prolongar o prazer, cinco coisas comprobatórias de que você é bom de cama, faça um teste rápido. Quem goza, ama. O gozo é o meu pastor e nada me faltará. Sempre falta. Onde há vida, há inacabamento, escreveu um barbudo educador no século passado. Somos seres inacabados. Incompletos, buscamos incessantemente preencher vazios existenciais com trouxinhas de pequenas alegrias. Minúsculos potes de tranquilidade passageira. Não é o suficiente.

Nunca satisfeita, nunca saciada.

Porque a fome sempre foi inerente à espécie. Fome de tudo. Mas me pergunto, enquanto vejo dois jovens dividirem um saco de batatas fritas no metrô, se não nos tornamos escravos de tantas necessidades. Parece-me que uma goiaba nos bastaria, às vezes, mas optamos por pedir um prato de inhame com charque. Entupir-nos de tudo e todos, até sentirmos essa humana sensação de se estar cheio. E se eu vomitar? Exagero meu. Prometo não me alongar, só vem mais um parágrafo em frente e nem vou escrever o que acho sobre a anestesia dos vícios.

Nunca satisfeita, nunca saciada.

Um dia publicarei também um livro de auto-ajuda para vender nas prateleiras ou ser compartilhado nas redes sociais. Farei frases de efeito para serem carimbadas em belas imagens de casais e campos verdíssimos, é mais fácil ler imagens. Entre as frases, direi que amor é equilíbrio. Resumir-se às necessidades do corpo é perder a chance de sentir o imenso prazer de tarefas banais, como caminhar juntos por longos minutos ou permanecer em silêncio, do alto, contemplando a cidade. Compromisso não deve estar no vocabulário dos amantes: relacionar-se é, antes e acima de tudo, uma escolha. Dizer não é necessário e renova a individualidade de cada um. E eu direi também, nas frases de efeito para serem compartilhadas, que diariamente nós precisamos catar o egoísmo e orgulho, como carrapatos, para evitar que sangremos sem perceber.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

pão de cada dia

por entre tuas coxas
deslizar meus dedos
abre-alas
amanhecer o dia
molhando-te a pele
banhos de saliva
leve beijar teus lábios
maior e menor
e escorregar
desdobrando-se paredes
iluminando covas úmidas
deliciosa brincadeira de caça
como quem rasga e mastiga
consenso de corpos
nossa sublime arte de submergir e
emergir, exaustos
instantes de arremate onde
amorpaixãoloucura alimenta
e cura,

horas de mundo ignorado
o relógio das nuvens mais lento
na infância não se ensina
que podemos flutuar?
refazer-me em teu seio
remodelar-te em minhas mãos
artistas dessa fome de viver
nosso pão
nosso papo
nosso papel revelado
se elevar.